Claros sinais de loucura, Karen Harrington

| |

Claros sinais de loucura

Ficha técnica do livro Claros sinais de loucura

Título: Claros sinais de loucura

Autora: Karen Harrington

Tradutor:  Edmundo Barreiros

Editora: Intrínseca

Ano: 2014 – 1ª edição (4 abril 2014)

Gênero: Romance

Páginas: 256



Resenha do livro Claros sinais de loucura

Recentemente, fiz diversas trocas no Skoob, mas um livro em especial eu solicitei totalmente no impulso. Sabe quando você possui créditos de troca disponíveis e só quer gastá-los logo? Pois foi assim que Claros sinais de loucura foi parar na minha estante. O fato de ele ter passado na frente da pilha de leitura também foi pura coincidência: eu tinha terminado de ler O iluminado e precisava de um livro fofo para conseguir dormir de novo. Pela capa, Claros sinais de loucura era o livro mais próximo disso ainda não lido. E foi então que as surpresas começaram.

Claros sinais de loucura conta a história de Sarah Nelson, uma garotinha de 12 anos recém completados que está passando por todos os dramas pré-adolescentes que eu e você já passamos. Tudo normal até aqui, se não fosse pelo fato de que a mãe de Sarah tentou afogar ela e seu irmão gêmeo quando eles tinham dois anos, e desde então mora em uma instituição psiquiátrica. O pai de Sarah, por conta do trauma e da notoriedade do crime, se tornou alcoólatra e dá pouca ou nenhuma atenção à filha. Além disso, Sarah adora aprender o significado de palavras incomuns e possui uma planta como melhor amiga. Acredite em mim: antes do quinto capítulo, qualquer ideia de normalidade já foi por água abaixo.

Apesar dos acontecimentos trágicos em sua vida, Sarah está longe de ser uma garota triste. Por não se lembrar da tentativa de afogamento, devido à pouca idade, ela lida com esse acontecimento com um estranho e cativante bom humor. O que não significa que, no fundo, ela não queira respostas sobre o que levou a mãe a fazer o que fez. Para lidar com seus conflitos internos, ela costuma escrever cartas para Atticus Finch, o protagonista de O sol é para todos. Por motivos óbvios, Atticus não responde às cartas. No entanto, Sarah acaba encontrando indiretamente as respostas para suas angústias, ao articulá-las no papel.

Mas as aventuras de Sarah não se resumem aos mistérios envolvendo sua mãe. A história se passa ao longo das férias de verão da protagonista, e nesse pouco tempo ela fará grandes amizades que a farão entender melhor como funcionam as pessoas e seus sentimentos. Destaque para a Sra. Dupree, vizinha de Sarah e responsável pela maior quantidade de lágrimas derramadas por esta que vos escreve.

Esse é o primeiro livro jovem da autora Karen Harrington, e fiquei impressionada com a delicadeza de sua escrita. Quando fui pesquisar mais sobre ela, para escrever essa resenha, descobri que ela lançou um livro somente sobre Jane Nelson, a mãe de Sarah, contando o que se passava com ela quando tentou afogar seus filhos. O título é Janeology e foi publicado (somente em inglês) antes de Claros sinais de loucura, além de ser voltado para o público adulto.

Ao iniciar a leitura de Claros sinais de loucura sem nenhuma expectativa, me permiti ser surpreendida por uma história que aborda um assunto sério de maneira sutil e divertida. O mais emocionante do livro, na minha opinião, não é somente a busca de Sarah por entender o que levou sua mãe a cometer o crime, mas também as relações interpessoais que a protagonista desenvolve na busca por autoconhecimento. Se você busca ensinamentos e reflexões em um livro, com uma pitada de bom humor e nostalgia pelos seus tempos de pré-adolescente, Claros sinais de loucura é a história certa para você. Prepare-se para uma montanha-russa de sentimentos!

Boas leituras!

Adquirindo seu exemplar por este link, você ajuda o Chovendo Livros a crescer!


Anterior

Caixa de pássaros, de Josh Malerman

A emocionante jornada do árabe do futuro, de Riad Satouff

Próximo