Pax, de Sara Pennypacker

| |

Pax

Ficha técnica do livron Pax

Título: Pax

Autora: Sara Pennypacker

Ilustrações: Jon Klassen

Tradutora: Regiane Winarski

Editora: Intrínseca

Ano: 2016

Gênero: Jovens e Adolescentes

Páginas: 288



Resenha do livro Pax

Falei desse livro fofo que é Pax no Book Haul de Agosto/Setembro e desde então venho pensando em como traduzir uma história tão doce e sutil para uma resenha escrita. O capricho do livro começa em seu projeto gráfico, passando pelas ilustrações lúdicas de Jon Klassen, e termina no texto inocente e cheio de metáforas da autora Sara Pennypacker.

O livro é protagonizado por Peter, um garoto de 12 anos, e Pax, sua raposa de estimação. O pai de Peter foi chamado para servir na guerra (não fica claro qual guerra seria) e, por conta disso, Peter precisa se mudar para a casa do avô. O pai de Peter o obriga a abandonar Pax na estrada, já que a raposa não poderia viver com ele em sua nova casa. Pax já começa assim, com uma cena arrebatadora de uma criança tendo que abandonar seu bichinho de estimação. Já está com o coração em cacos? Pois, a essa altura, eu já estava.

Os capítulos de Pax intercalam entre a visão da raposa e do menino. Enquanto acompanhamos Pax sem entender porque seu dono o deixou na estrada, acompanhamos também um revoltado Peter que resolve fugir da casa do avô e andar quase quinhentos quilômetros para resgatar seu amigo. É no meio desse longo caminho que o menino conhecerá Vola, uma senhora enigmática mas de bom coração, que tem muito a ensinar e também a aprender com Peter. Já Pax vai conhecer Arrepiada e Miúdo, duas outras raposas que vão ensiná-lo que os humanos nem sempre são tão bons como o seu dono. A história de Pax se desenrola conforme o menino e a raposa vão desbravando o mundo, tanto fora como dentro de si, enquanto mantêm viva a esperança de se reencontrarem.

Acompanhar os sentimentos de Pax e Peter é uma experiência bonita e intensa. Em um primeiro momento, conseguimos sentir no peito a saudade dos amigos, graças ao talento da autora para descrever sentimentos com poucas palavras. Conforme a história segue, o leitor é entregue, junto a Peter e Pax, a uma enxurrada de outros sentimentos envolvendo lealdade, obstinação e aceitação – tanto a autoaceitação como a aceitação de quem nos cerca.

Comentei anteriormente que os capítulos de Pax são intercalados entre a visão do menino e da raposa. Aposto que você está se perguntando como raios seria um capítulo narrado por uma raposa, certo? Pois saiba que a autora, Sara Pennypacker, se aprofundou no estudo das raposas-vermelhas para deixar o comportamento de Pax o mais próximo de uma raposa na natureza. Vai por mim: viver alguns capítulos na cabeça de Pax é divertidíssimo e extremamente convincente.

Aliás, uma curiosidade: Pax se passa em um contexto de guerra e rivalidade, tanto entre humanos como entre humanos e animais. pax em francês significa paz. Não tenho dúvidas sobre o quanto esse nome tão simples é tão representativo para a história do livro!

Pax é um livro dedicado ao público infantojuvenil, mas que não fica para trás na hora de conquistar os leitores adultos. Se você é um leitor sensível, como eu acredito que todo apaixonado por literatura seja, com certeza vai se contagiar pelas metáforas envolvendo o menino e sua raposa. Publicado pela Intrínseca em julho desse ano, a edição está muito bonita e é uma ótima pedida para presentear alguém querido nesse Natal (e em qualquer outra data do ano).

Adquirindo seu exemplar por este link, você ajuda o Chovendo Livros a crescer!


Anterior

Confissões do Crematório, de Caitlin Doughty

Nimona, de Noelle Stevenson

Próximo